Hobbies: Irrelevantes ou Úteis?

Às quintas-feiras escrevo uma rubrica chamada O Leitor Pergunta onde, como o nome indica, respondo a uma questão das que me têm colocado por email ou no Facebook.

Ontem perguntaram-me se devemos incluir os nossos hobbies no CV e como esta é uma questão em que nem os especialistas de recrutamento estão de acordo, gostava de saber a vossa opinião.

Basta clickarem Sim ou Não. Se estiverem na dúvida, escolham a opção Não Sei e deixem o motivo num comentário.

Obrigada!

10 comments

  1. Irrelevante. Ninguém contrata ninguém pelos hobbies que tem. Só se for quem ainda não tem experiência.

    1. Olá Filipe, é verdade que quando a experiência é escassa os hobbies poderão ter mais relevância. Mas pessoalmente posso dizer que nunca fui contratada SÓ por isso, mas sem dúvida que ajudou um pouco, nem que seja a fazer small talk durante as entrevistas.

  2. O hobby apenas tem relevância no processo de recrutamento se as competências potenciadoras que esse passatempo gera se cruzam com as necessidades da vaga em aberto.
    Assim, há hobbies que desenvolvem competências sociais e profissionais que são uma mais valia para determinada vaga e, nessa premissa, faz todo o sentido em colocar o hobby no CV.

    Em início de carreira, é mais provável que os hobbies sejam vistos como diferenciador, mas com o desenvolvimento de experiência profissional perdem qualquer relevância.

    Penso que se exagera na importância dos hobbies, tanto mais que nem todos têm as mesmas oportunidades. Assim, há aqueles que têm todo o tempo do mundo e podem abancar os mais inusitados hobbies, outros bastam-se por idas ao cinema (ou cinema pirata em casa), e por serões com os amigos.

    Mais importante, são as experiências de voluntariado. Que ao contrário dos hobbies, coloco no meu CV.

    1. Sem dúvida, concordo com tudo.

      Só não sei se de facto se exagera na importância dos hobbies ou não… Talvez do ponto de vista em que muitas pessoas os colocam no CV? Apesar disso, na maioria dos casos tenho visto que são uma lista de interesses e pronto… Não há grande preocupação em dar-lhes relevância.

      Estou a digerir o tema para escrever sobre ele amanhã. Muito obrigada pela opinião super válida!

      1. As pessoas exageram nos hobbies não só pelo espaço de grelha que por vezes dão no CV, mas também porque normalmente outras pessoas tendem a tecer juízos.
        Por exemplo, alguém que tem como hobby fazer caça desportiva, ou praticar tiro ao prato; ou até alguém que é aficionado por touradas.
        Infelizmente, há sempre pessoas neste mundo que estão sempre prontas a lançar maus juízos sobre os interesses pessoais, apesar de essa pessoa ser excelente tanto como pessoa como profissional.
        Pode ser a minha visão muito negra da realidade, mas muitas pessoas tendem a ser preconceituosas e provincianas.
        Outro exemplo, alguém tem como hobby a fotografia, ou leitura… Nada a dizer… E se for fotografia e leitura erótica? (estou a extremar posição, eu sei) Há algum problema com isso?
        Judgemental people are always judgmental.

        Boa redação! Espero para ver o artigo.

        1. É verdade! Não há problema absolutamente nenhum mas lá está, também não é algo que se partilhe num contexto profissional. Pelo menos não logo à partida…

          Acabei de o publicar 🙂

          Obrigada pela opinião, sem dúvida que é extremamente válida.

        2. Lá está, depende…
          Se fosse para trabalhar na produção cinematográfica de um filme francês podia ser uma mais valia. =)

          Além de bem sistematizado estou de acordo com o conteúdo do artigo.

          Parabéns!

Deixa um comentário

Subscrever

Recebe posts novos directamente no teu email.